October 19, 2011
| By: 
Lynette Wilson

Editor's note: A Portuguese translation of this article follows the English version and a Spanish translation is available here. Click here for an image gallery.

Araides Duarte da Luz grew up in a migrant-worker family, living wherever anyone offered them a place. His wife, Marilene Hammel, grew up on a farm her family was forced to sell during Brazil's "green revolution." Today, they live with two children in a brick home in a permanent settlement camp near the city of Santa Tereza do Oeste, part of an agrarian-reform movement supported by the Anglican Diocese of Curitiba and led by one of its priests, the Rev. Luiz Carlos Gabas.

Brazil has a long history of social movements aimed at agrarian reform, some strengthened in the 1960s and '70s by the embrace of liberation theology by many Latin American Roman Catholics. The Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Brazil's Landless Rural Workers Movement, formed in 1984 when migrant workers, peasants, laborers and unemployed people active in smaller movements joined together.

The MST surged when landless workers organized themselves to fight for agrarian reform "in response to lots of land in the hands of the few and others with no land to work," said da Luz, who joined the movement with his brother in 1999.

Today, 350,000 people belong to the MST, including 100,000 to 150,000 living in camps in at least 22 of Brazil's 26 states and up to 6,000 living in camps in Paraná, the southern state where the diocese is located. The movement's primary strategy is camping on unproductive agricultural lands to pressure the government and the property owners to transfer title to the campers. It also works to protect the environment and has spoken forcefully against using pesticides and genetically modified organisms and monoculture as agricultural techniques.

For seven years, Gabas, the priest at Paróquia da Ascensão Igreja Anglicana, or Ascension Parish in Cascavel, has supported the MST, visiting the permanent and temporary camps near the southern Brazil city as a pastor and an ally of the movement, and sometimes as a mediator. He exudes a quiet and gentle nature, which has served him well as he has suffered harassment and threats because of his advocacy.

"I have always acted with social work, not only here, but also in São Paolo," Gabas, a former Roman Catholic priest, said in Portuguese through an interpreter during an interview in Cascavel in May. "[It is] not only I, as the 'reverendo,' but others in the church have also started to get involved in social action."

More recently, the diocese created Pastoral Anglicana da Terra, or Earthly Anglican Care, as a way for individuals, parishes and the diocese to address land reform, climate justice and the rights of indigenous people, peasants and the landless. The Episcopal Diocese of California, through its companion relationship with Curitiba, also has become involved.

"Discovering the commonality in our fight for the rights of the indigenous in Brazil and in the United States; the fight for the rights of unemployed and landless farm workers, the homeless and the poor in North and South America; and the global fight for food sovereignty has brought us shoulder to shoulder and heart to heart," said Michael Tedrick, an Episcopal Church-appointed missionary from the California diocese who facilitates the companion relationship.

"We have found shared purpose in our struggle. And through sharing our stories, we begin to obscure the economic, political, social and ideological borders that divide us," he added. "To further that effort in 2012, we are planning a young adult exchange focused on human rights and eco-justice."

Life in the movement

Along the two-lane rural highways through the southern state of Paraná, soybean plantations, which look like well-manicured green carpets, stretch beyond the horizon. Cornfields also line the roadway for miles. Agriculture, driven heavily by agribusiness, accounts for 25 percent of the country's gross domestic product, and is a key factor in its economic growth.

Brazil's "green revolution," Hammel explained, began in the 1960s, when "capitalism in the form of industrial farming took over agriculture."

"The military used to say that Brazil was late in coming to industrial farming, which really took off in the 1970s," she said. Under military rule, she said, the government forced farmers to use machines and chemicals for which they were unprepared and that they couldn't afford; banks foreclosed on the land when the families couldn't afford to pay.

Hammel's family's farm was in Rio Grande do Sul. They grew grains, soybeans and corn, and milked cows and raised pigs for family consumption and to sell.

"Things destined for family maintenance were sold to pay for machines, and in the end my parents had to sell their land," she said. "When my parents sold the land, they bought a small house in an urban area, but I wanted to remain in the field. To engage in the movement was the way to stay in the field. My heart was in the field."

Hammel, now 34 and a primary school teacher, was 15 in 1992 when her parents sold the farm. She and da Luz, who was born in 1975, met in 2004 while both were studying in one of the movement's schools.

The couple lives in the Olga Benário settlement, a permanent camp 10 families share, located some 100 kilometers from Cascavel. In 1999, da Luz and his brother were part of the "occupation" that set up a roadside camp beside what would become Olga Benário.

To make the government address agrarian reform, the movement establishes camps along roadsides and other visible places, while the National Institute for Colonization and Agrarian Reform (INCRA) negotiates transfer of ownership with the government and landowners, a process that can last for years.

"When we arrived here, this area was owned by the government and a communications company," da Luz said through an interpreter. "In the beginning all 10 families camped and huddled together."

Families unite with other families, beginning by forming debate groups, where farmers find common opinion and a common cause to fight for, explained Hammel.

"A family will never go out on its own," she said. "The community is the foundation of everything."

Each community, da Luz added, has its own principles and policies to which everyone has agreed, and sometimes even family "fights" are taken to the community. A family can leave the land to its children, but the land signed over to the MST never can be turned over to commercial use if the family leaves.

According to government agrarian census data, 1 percent of land owners control 45 percent of farmland, a land distribution dating from the 16th century, when Brazil, South American's largest, most resource-rich country, was a colony of Portugal.

In fewer than 30 years, Brazil has become a world leader in industrial agriculture – producing commodities including corn, soybeans, coffee, cocoa, sugarcane and beef – at times at the expense of the local population and the environment. This has led to violent confrontations between environmental and indigenous activists and farmers and cattle ranchers. Sister Dorothy Stang, an American-born Roman Catholic nun who worked with the Catholic Church's pastoral land commission, is counted among the many activists who have been murdered. Thirty-four people were killed in conflicts over land in 2010.

Besides fighting for more equitable land distribution, the MST battles to protect water quality and the environment. "In every camping place you go to, 20 percent of it is set aside as a reserve, and there is always a 50-meter buffer near a lake or water source," according to national law, da Luz said. "Farmers all over Brazil break this law, but the government is trying to strengthen the law. And large farms and commercial farms and companies are fighting with the government to weaken the law."

"Agrarian reform is not only the concern of those who camp, it is also the concern of people like the 'reverendo' in urban areas," he said.

Gabas' involvement

Iris Maracáípe, a leader in the movement, lives with her two sons in the Valmir Motta de Oliveira settlement, named for her husband, near Cascavel. Motta, or "Keno," as he was commonly known in his role as one of the movement's national leaders, was assassinated Oct. 21, 2007, during a protest.

The settlement sits just off the road in the foreground of a large industrial farm. The camp recently achieved permanent status. The wood houses all have well-manicured gardens. The camp's children attend a nearby government school. Maracáípe and Keno met in the movement.

Gabas became more involved with the MST after Keno's death. The two men were not close, as Keno acted at the national level and Gabas at the regional level, but they knew each other and talked regularly, Gabas explained. Keno's national position gained him respect in Cascavel and Paraná and throughout the nation; because of his actions, his death became "imminent," Gabas said.

Keno and other leaders, he said, participated in a "takeover" of Syngenta, a Swiss global agrochemical company that does genomic research and markets seeds and pesticides. The company was conducting agricultural experiments with transgenics and "toxic" chemicals less than 10 kilometers from Iguaçu National Park, one of the largest forest preserves in South America and home to the 1.7-mile Iguaçu Falls of the Iguaçu River that delineate the borders of Brazil, Argentina and Paraguay, he said.

In 2006, the MST, in partnership with the international peasant movement Via Campesina, alerted the government to Syngenta's actions in the region. The government didn't act, so protesters from both organizations staged a "sit-in." The government forced them to leave. In October 2007, the protesters held another sit-in on a rainy Sunday morning.

Besides its own 40 heavily armed security guards, Syngenta recruited rural people from the west of Paraná to "fight with them," Gabas said.

"The security guards arrived in a bus, and then when they got off the bus they started shooting at the people from Via Campesina and knocked over the entrance gate. They executed Keno, and they forced a woman called Isabel to kneel and they shot her in the head," he said. "She didn't die because they put the gun over her head and the bullet crossed her eye.

"Four others from Via Campesina were hurt, and the security guards killed one of their own, too. So that's what happened on this Sunday in October 2007. Keno was murdered, not hit by a stray bullet. And the same stands for Isabel; she was shot intentionally."

It was Gabas who told Keno's parents of his death and later picked them up for the funeral and organized the celebration of Keno's life. And it was after that that strange things began to happen.

Gabas's car began to leak gasoline. When he took it to the mechanic, the mechanic discovered bullet holes. Later, he was cornered by two other cars while driving. He began receiving threatening phone calls; cars would circle his home; motorcyclists would shine their headlights through his windows late at night.

The church became concerned for his safety, and the government provided him security while it investigated the violence related to the movement. For a time, the situation stabilized, he said.

Then, in May 2008, shortly after midnight, heavily armed men driving tractors and a truck outfitted to allow gunmen to ride on top with their guns – what they called a "big skull" – rolled into the camp Primeiros Passos, or First Steps, shooting bullets, running over crops and destroying the chapel before the military police came and stopped them.

"Besides people being arrested, police found ammunition but no guns," Gabas said, adding that just after the invaders arrived someone from the camp called and woke Gabas. He drove to the camp, arriving just after the attack.

"People were desperate, confused," he said. "People would walk back and forth not knowing where to go. And I tried to help so that people would stay more tranquil. I made an effort to maintain the distance between the police and the camping in order to avoid people from the camping from getting arrested."

The MST doesn't allow members of the movement to be armed, Gabas says. Brazilian television -- the same 1 percent that owns the farmland also controls the media, he says -- shows them with rural instruments, pick-axes, to make them look like they are dangerous, but these instruments are used only for work.

"If the people from the movement had been armed during the day of that attack, there would have been much more damage," he added.

The next day, people from the camp moved onto the two-lane road, closing it to traffic. So again Gabas drove out to the camp to intervene, and then on that same day he received more threats.

The First Steps camping site belongs to the Movement for the Liberation of the Landless, or MLST, a smaller breakaway movement formed in Pernambuco, in the north of Brazil, that keeps its focus mainly on land reform. The MST is more organized and has support both inside and outside Brazil, Gabas said.

Gabas's involvement with the MLST began when someone in the camp died and no Roman Catholic priest would preside over the funeral. After that, Gabas began tending to the camp's spiritual requirements, celebrating Mass under a canvas tent before building the wooden structure that was destroyed in the raid.

Eventually, when the Paróquia da Ascensão Igreja Anglicana in Cascavel upgraded from a wooden to a brick structure, the old wood was used to build the current Capela Jesus Cristo Libertador, or Christ the Liberator Chapel.

In the beginning, Gabas celebrated a monthly Mass in the chapel and went more often to talk to people and join their meetings. Now he holds bimonthly services, baptizing the first Anglican in the area five months ago.

"Up until April it was an Anglican chapel, but there was no Anglican in the campsite," he said, adding that he didn't impose the Anglican Church on them, and that Roman Catholics also join the services.

Leadership and education

The movement's emphasis on leadership and training has been key to its success, said Dawn Plummer, former national coordinator for the Friends of the MST, who wrote a master's thesis on its leadership development.

The movement is composed of "thousands and thousands of leaders; it's not a movement of a few leaders and lots and lots of followers," she said, adding that the leadership and uniform organizational culture allowed members to multiply "massively."

History notes that social movements were instrumental in the country's move to democracy. A military dictatorship ruled Brazil from 1964 to 1985, with popular movements, dissident political groups, labor union-led strikes and peaceful protests largely credited with easing the transition from dictatorship to democracy. Elections came in 1989.

"The movement fought for direct elections in 1989," said da Luz. "The people, everyone in Brazil, had the craving to choose."

The MST's political influence also has influenced education.

Although Brazil has its own universal education curriculum, universities are required to contribute to the movement, said Liliam Faria Porto Borges, an education professor at the Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

"The movement pressured the state to provide alternative access to education," she said, adding that this has required extra work and angered some professors.

Having developed their own calendar, she said, the movement's "students study 10 hours a day for 50 days and then go back to their communities to continue their studies … That is difficult for us because we have a particular way of organizing a course. Instructors have to adjust their methodology to the social movement."

Students from the camps typically study agrarian science, veterinary medicine and education, but some faculty resist structuring these courses to accommodate the movement. Many professors also disagree with the movement's goals. Conflicts exist between urban and rural areas, as well as and tensions inside the university, Porto Borges said.

The conflict, however, doesn't rattle the students, who are politically adept and strengthened by their collective, she said. "They wear their flags and T-shirts and impose their points of view."

The 80 children living in the First of August camp – a temporary camp – attend classes in small wooden buildings with dirt floors. Classes are small, and the children sit at typical metal school desks with wooden tops and hard plastic chairs. Murals of bucolic scenes are painted on the exterior walls of some classrooms. The students recite songs and chants with themes about educating the workers in the field.

Government teachers hold morning classes, and teachers from the camp take the afternoons, said Geni Teixeira de Souza, the camp's school coordinator.

"Always the focus is on everybody … cooperative education," said de Souza.

Through education and everyday camp life, the MST instills the movement's values in its students. The MST's flag – a male worker with a large knife raised in his right hand and a woman standing with him, posed in front of a outline of Brazil, all enclosed in a white circle in the center on a red background – flies throughout the First of August camp, along with flags bearing the image of Latin American revolutionary Ernesto "Che" Guevara. On one building at the camp's entrance, Guevara's image is painted, his head hung low, his thumb and index finger pinching the bridge of his nose, alongside the quotation: "It is necessary to develop a consciousness in which values acquire new categories." What's missing is the rest of the quote: "As I already said, in moments of extreme danger it is easy to activate moral incentives; to maintain their effectiveness ... Society as a whole must become a huge school."

One of the things the MST recognizes, which the rest of society often ignores, is the knowledge that poor people, peasants and campesinos have, said Plummer.

While students receive instruction in the same subjects taught in regular schools, they also receive field education that teaches them how to work the land, de Souza said. "Their courses are geared toward teaching them everything they need to associate everyday life with the ways of living on the land … it is impossible to separate school from living and community from school."

Another strength of the MST, Plummer said, is that its adherents live out its values and ideology.

In a place where poverty is so intense, the value of access to seed and soil and the importance of sustainable farming techniques are not lost, she said.

"I think what is so special about the MST is that they are really trying to embody their values, that caring for the earth is not just a nice bumper sticker," she said. "The political action they take is studied and strategic, and also something rooted in daily life."

The First of August camp formed seven years ago on land owned by a private farmer when the movement discovered the farmer using only monoculture farming techniques.

At first there were 1,200 families; now it is home to 90 families, and more than 300 people. Each family has a small patch of land, and the houses vary from well-built wooden structures with metal roofs to ones held together with plastic walls. Most residents come with an agricultural background or are poor people from the cities. Many of the camp's former residents left to work on farms in Paraguay, which borders Brazil to the south. INCRA, the government agrarian reform agency, still is negotiating with the farmer who owns the land to sign it over to the campers.

One of the MST's strongest attributes, said Plummer, is that it fights for the immediate needs of the poorest Brazilians – access to land, shelter, food and health care – and organizes families as soon as they enter the movement. In the very short term, it works to resolve what typically is an extreme situation, but it also looks at why the family ended up in that situation. Later, it gets into broader social change and the long-term goal of land reform.

"It's not just a social-service provider or ideological movement," she said.

But staying committed, she added, can be difficult and one the movement's major challenges.

"Change comes slowly," she said. "In many encampments … life is not so great. People can live in tent communities for years, and it's not easy to stay committed and see it through. That's a real challenge."

Still, the MST has had success in Paraná, where permanent camps outnumber temporary ones – a growing pattern of more people becoming "fixed in the fields," said Porto Borges.

That speaks to what the movement has achieved, she said. "Nowadays they are recruiting poor people from the cities."

With a population of more than 200 million people, Brazil is the 10th-largest economy in the world. More than 26 percent of the population lives in poverty – many in extreme poverty. As the population has largely shifted from rural to urban areas, social programs instituted by former president Luiz Inácio Lula da Silva have lead to quality-of-life improvements.

New government income-redistribution policies and a special compensation program for the poor called "Bolsa Familia" have given people living in cities a "dignified life," and that weakens the agrarian movement, said Paulo Humberto Porto Borges, Liliam's husband and also a professor at Universidade Estadual do Oeste do Paraná, who has long worked on land issues in Brazil. "That the movement is not acquiring new people is a result of its success.

"At the same time, we fight for it, and I think it is positive that it takes strength from the mobilization power of the movement – it is a contradiction that cannot be solved," he said. "And that fact that there are more jobs now in Brazil, that is also taking strength from the movement."

He sees it as an achievement of the Brazilian people, he added. "It is a very positive and interesting contradiction."

Jair Francisco de Paula has been a political leader in the movement for nine years and is a leader in the First of August camp. A farmer all his life, he joined MST when he thought he wasn't being hired for jobs on farms because of his age. "I thought it was the only way to make improvements," said de Paula, who has a weathered face and well-worn cowboy hat.

De Paula put it another way: Government welfare programs and jobs give people a false sense of security and make it so that "they don't want to fight" for land reform.

"The movement tries its best to change the thinking of the whole society," he said. "At the moment it is particularly hard for the movement because there is work."

For more information on Pastoral Anglicana da Terra, or Earthly Anglican Care, contact Diocese of California missionary Michael Tedrick at michaelt@diocal.org.

-- Lynette Wilson is an editor and reporter for Episcopal News Service. She traveled to Brazil in May to report this story.

En español

 


 

A luta pela terra e a proteção ao meio ambiente no Brasil

por Lynette Wilson

Araides Duarte da Silva cresceu numa família de trabalhadores migratórios, vivendo onde quer que lhes fosse oferecido um lugar. Sua esposa, Marilene Hammel, vivia numa fazenda, que sua família foi forçada a vender durante a "revolução verde" no Brasil. Atualmente, vivem ambos e mais dois filhos numa casa de alvenaria de tijolos expostos, num assentamento localizado nas redondezas da cidade de Santa Tereza do Oeste, o que é o resultado de um movimento de reforma agrária que, à propósito, é apoiado pela Diocese Anglicana de Curitiba, com a assistência de um dos sacerdotes, o Reverendo Luiz Carlos Gabas.

O Brasil possui um histórico prolongado de movimentos sociais que objetivam a reforma agrária, alguns deles tendo sido fortalecidos nas décadas de 1960 e 70 pelo envolvimento da teologia da libertação de sacerdotes católicos romanos da América Latina. O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, que é mais conhecido pela sigla MST, formou-se em 1984 quando trabalhadores migratórios, agricultores, trabalhadores e desempregados com atividade intensa em movimentos menores se uniram.

O MST surgiu quando trabalhadores sem-terra se organizaram na luta pela reforma agrária "como uma resposta à grande quantidade de terra nas mãos de poucos, e outros sem terra nenhuma onde trabalhar," conta Araides, que se juntou ao movimento com o irmão em 1999.

Atualmente, 350.000 pessoas pertencem ao MST e, a miúdo, isso inclui de 100.000 a 150.000 que vivem em acampamentos em, pelo menos, 22 dos 26 estados brasileiros, e aproximadamente 6000 vivendo em acampamentos paranaenses, o estado do Sul do país onde se localiza a diocese. A estratégia primária do movimento é montar acampamento em terras improdutivas com o fim de pressionar o governo e os proprietários das terras a transferir o título aos acampados. Além disso, o movimento trabalha em prol da proteção ao meio ambiente e já se manifestou de maneira contundente contra agrotóxicos, organismos geneticamente modificados e monoculturas como técnicas de agricultura.

Durante sete anos, Gabas, que é o sacerdote da Paróquia da Ascensão, Igreja Anglicana, em Cascavel, apoiou o MST, fazendo visitas regulares aos acampamentos e assentamentos nas redondezas desta cidade como pastor e aliado do movimento e, por vezes, como mediador. Gabas possui uma natureza tranqüila e branda, o que lhe calhou bem, visto que ele já sofreu perseguições e ameaças por conta de sua atividade advocatória.

"Sempre atuei com serviço social, não apenas aqui, como também em São Paulo," disse-nos Gabas, que no passado foi padre da Igreja Católica, durante uma entrevista mediada por um intérprete, no mês de maio, em Cascavel. "Não apenas eu, como reverendo, mas outros membros da igreja começaram a se envolver em serviço social".

Há pouco tempo, a diocese criou a Pastoral Anglicana da Terra, como um artifício pelo qual indivíduos, paróquias e a diocese possam dedicar-se à reforma agrária, à justiça climática e aos direitos de povos indígenas, de agricultores e dos sem-terra. A Diocese Episcopal da Califórnia, por sua amistosa relação com Curitiba, também passou a envolver-se.

"Sondar a semelhança de nossa luta pelos direitos dos povos indígenas no Brasil e nos Estados Unidos; a luta pelos direitos de trabalhadores rurais desempregados e sem-terra, os moradores de rua e os pobres nas Américas do Sul e do Norte; e a luta global pela supremacia em alimentos nos colocou ombro a ombro, coração a coração," versa Michael Tedrick, um missionário da Igreja Episcopal da Diocese da Califórnia que facilita a amistosa relação.

E acrescenta: "Encontramos um propósito comum em nossas lutas. E ouvindo os relatos um do outro, começamos a obscurecer as fronteiras ideológicas, sociais, políticas e econômicas que nos dividem. Para ampliar esse esforço, em 2012 temos planejado um intercâmbio de jovens adultos focado em direitos humanos e em eco-justiça".

A vida no movimento

Ao longo das rodovias de mão dupla do estado do Paraná, as plantações de soja, que se assemelham a verdejantes tapetes bem cuidados, se estendem no horizonte. Há, também, plantações de milho que se alinham, por quilômetros, junto à estrada. A agricultura, que é fortemente dirigida pelo agronegócio, equivale a 25% do produto interno bruto, e é um fator principal em seu crescimento econômico.

Como explica Marilene Hammel, a "revolução verde" no Brasil começou na década de 1960, quando o "capitalismo, na forma de agricultura industrial, se apoderou da agricultura".

"Os militares diziam que o Brasil estava atrasado com a agricultura industrial, que apenas decolou na década de 1970", ela conta. E explicou: sob o regimento militar, o governo forçou os agricultores a usar máquinas e produtos químicos para os quais eles ainda não estavam preparados e que eles não podiam comprar. E os bancos hipotecavam as terras quando as famílias não conseguiam pagar as dívidas.

A fazenda da família de Hammel era no Rio Grande do Sul. Lá, cultivavam-se grãos, soja e milho, além da atividade de ordenha de vacas e de uma criação de porcos para o consumo familiar e para venda.

"Aparelhos e equipamentos da família foram vendidos para pagar as máquinas, e no fim os meus pais precisaram vender a terra", conta ela. "Quando eles a venderam, compraram uma casinha na cidade, mas o que eu queria era ficar no campo. E engajar-se no movimento era como eu conseguiria ficar no campo. No campo estava o meu coração."

Marilene, hoje com 34 anos e professora de escola primária, tinha 15 anos em 1992, quando da venda da fazenda por seus pais. Ela e Araides, que nasceu em 1975, se encontraram em 2004 enquanto estudavam numa das escolas pertencentes ao movimento.

O casal vive no Assentamento Olga Benário, onde vivem também outras 10 famílias, com localização a aproximadamente 100 quilômetros de Cascavel. Em 1999, Araides e o irmão fizeram parte da ocupação que montou acampamento junto à estrada, ao lado do território que se tornaria o assentamento Olga Benário.

Com o intuito de chamar a atenção do governo para a reforma agrária, o movimento estabelece acampamentos junto a estradas e em outros locais de visibilidade, ao passo que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) negocia a transferência de propriedade com o governo e com os proprietários de terra, processo esse que pode durar anos.

"Quando nós chegamos, esta área pertencia ao governo e a uma empresa de comunicação", explicou Araides por meio de um intérprete. "No início, todas as 10 famílias acampavam juntas e se amontoavam em desordem".

As famílias se unem a outras famílias, começando pela formação de grupos de debate, em que os membros descobrem opiniões comuns e uma causa comum pela qual lutar, explica Marilene.

"As famílias não saem por aí por conta própria", ela explica. "A comunidade é a base de tudo".

Cada comunidade, acrescenta Araides, possui seus próprios princípios e políticas com as quais todos concordaram e, por vezes, até mesmo as brigas de família são discutidas nas reuniões comunitárias. A família tem o direito de passar a terra aos filhos, mas a terra fornecida pelo MST não pode nunca ser aplicada a fins comerciais caso a família deixe o local.

De acordo com dados do censo agrário governamental, 1% dos proprietários rurais controlam 45% das terras agriculturáveis, uma distribuição de terra que data do século XVI quando o Brasil, o país da América do Sul mais rico em matérias-primas, era colônia de Portugal.

Em menos de 30 anos, o Brasil se tornou líder mundial em agricultura industrial – produzindo commodities que incluem o milho, a soja, o café, o cacau, a cana de açúcar e carne bovina – o que às vezes se sucede em detrimento da população local e do meio-ambiente. Isso acarretou confrontos violentos entre ambientalistas e ativistas indígenas e fazendeiros e criadores de gado (pecuaristas). A Irmã Dorothy Stang, católica de naturalidade americana que trabalhou com a comissão da pastoral da terra da Igreja Católica, está na lista dos diversos ativistas que foram assassinados.Trinta e quatro pessoas foram assassinadas em conflitos pela posse de terra em 2010.

Além de lutar por uma distribuição de terra mais igualitária, o MST batalha para proteger a qualidade da água e o meio-ambiente. "Em todo acampamento que você visita, 20% do território é separado como reserva, e há sempre um bloqueio de 50 metros junto aos lagos e às fontes de água", o que está em conformidade com uma lei nacional, conforme conta Araides. "Fazendeiros no Brasil inteiro transgridem essa lei, que o governo, à propósito, está tentando fortalecer. E grandes fazendas, dadas ao agronegócio, e também companhias, estão lutando contra o governo com a intenção de enfraquecer a lei".

E completa: "A reforma agrária não é preocupação apenas dos acampados, é também preocupação de pessoas como o reverendo em áreas urbanas".

O envolvimento de Gabas

Iris Maracáípe, uma líder do movimento, vive com os dois filhos no Assentamento Valmir Motta de Oliveira, cujo nome foi inspirado em seu marido, próximo de Cascavel. Motta, ou "Keno", como era conhecido durante o desempenho de seu papel como um dos líderes nacionais do movimento, foi assassinado em 21 de outubro de 2011, durante um protesto.

O assentamento está localizado nos arredores de uma estrada, aos fundos de um grande latifúndio industrial. O acampamento recentemente adquiriu status de permanência. Todas as casas de madeira possuem jardins bem cuidados. As crianças que lá vivem vão a uma escola estadual próxima. Maracáípe e Keno se encontraram no movimento.

Gabas envolveu-se mais com o MST após a morte de Keno. Os dois não eram amigos próximos, visto que Keno atuava num nível nacional e Gabas concentrava-se mais num nível regional, mas eles se conheciam e conversavam regularmente, como explicou Gabas. A posição nacional de Keno lhe garantiu respeito em Cascavel, no Paraná, em todo o país. Por conta de suas ações, sua morte se tornou "iminente", Gabas disse.

Keno e outros líderes, comenta o sacerdote, participaram da tomada da Syngenta, uma companhia agroquímica suíça de projeção global que lida com pesquisas genéticas e agrotóxicos e sementes para o mercado. A companhia conduzia experimentos com transgênicos e agrotóxicos a menos de dez quilômetros do Parque Nacional do Iguaçu, um dos maiores redutos de preservação florestal na América Latina, e que abriga os 2.7 quilômetros das Cataratas do Iguaçu do Rio Iguaçu, que delineiam as fronteiras do Brasil, da Argentina e do Paraguai, conta ele.

Em 2006, o MST, numa parceria com o movimento internacional de camponeses, a Via Campesina, alertou o governo acerca das ações da Syngenta na região. O governo não se manifestou, o que fez protestantes das duas organizações organizarem uma ocupação. O governo forçou-os a deixar a área ocupada. Em outubro de 2007, os protestantes organizaram outra ocupação durante uma manhã chuvosa de sábado.

Além dos quarenta seguranças fortemente armados, a Syngenta recrutou agricultores do oeste do Paraná para "lutar junto", contou Gabas.

"Os seguranças chegaram num ônibus, e quando saíram do ônibus começaram a atirar nos manifestantes da Via Campesina, e derrubaram o portão de entrada. Eles executaram Keno, e forçaram uma mulher chamada Isabel a se ajoelhar e deram-lhe um tiro na cabeça", relata Gabas. "Ela não morreu porque atiraram por cima da cabeça e a bala atravessou o olho. Outras quatro pessoas pertencentes à Via Campesina ficaram feridas, e a segurança matou um de seus guardas também. Então foi isso o que se sucedeu neste domingo de outubro de 2007. Keno foi assassinado, e não atingido por uma bala perdida. E o mesmo vale para Isabel. Ela levou um tiro intencional".

Foi o próprio Gabas que contou aos pais de Keno sobre a morte do filho; foi ele também que os levou ao funeral e que organizou uma comemoração pela vida de Keno. E foi depois disso que coisas estranhas começaram a acontecer.

O carro de Gabas começou a vazar gasolina. Quando levou o automóvel para o conserto, o mecânico descobriu furos de bala. Em outra ocasião, Gabas foi encurralado por dois carros enquanto dirigia. Começou a receber telefonemas ameaçadores. Carros ficavam rondando sua casa. Motociclistas miravam os faróis acesos da motocicleta contra as janelas de sua casa de madrugada.

A igreja se preocupou com sua segurança, e o governo lhe forneceu proteção enquanto investigava a violência relacionada ao movimento. Por algum tempo, diz Gabas, a situação se estabilizou.

Então, em maio de 2008, logo depois da meia-noite, homens fortemente armados montados em tratores e um caminhão adaptado para carregar atiradores no topo – o que era chamado de "caveirão" – irrompeu no acampamento Primeiros Passos, atirando à revelia, atropelando as plantações e destruindo a capela antes que o exército pudesse chegar e interrompê-los.

"Além de alguns presos, a polícia chegou a encontrar munição, mas nenhuma arma", Gabas disse, acrescentando que alguém do acampamento avisou-o por telefone, acordando-o, logo quando os invasores chegaram ao acampamento. Em seguida, Gabas dirigiu até o acampamento, chegando logo que o ataque havia terminado.

"As pessoas estavam desesperadas, confusas", o sacerdote relata. "Elas andavam de um lado para o outro sem saber para onde ir. E eu tentei ajudá-las a ficarem mais tranqüilas. Fui tentando separar a polícia do acampamento, com o intuito de evitar que as pessoas do acampamento fossem presas".

Conforme relata Gabas, o MST não permite que seus membros tenham posse de armas. A televisão brasileira – os mesmos 1% que controlam terras agriculturáveis controlam também a mídia, diz ele – os exibe com instrumentos rurais, picaretas, para fazer parecer que eles são perigosos. Tais instrumentos, contudo, são utilizados apenas para o trabalho.

"Se as pessoas tivessem, de fato, estado armadas nesse dia do ataque, teria sido feito muito mais danos" acrescentou.

No dia seguinte, as pessoas do acampamento dirigiram-se à rodovia de mão dupla, impedindo o livre passe do trânsito. Novamente, Gabas dirigiu-se para intervir. No mesmo dia recebeu mais ameaças.

O Acampamento Primeiros Passos pertence ao Movimento de Libertação dos Sem Terra, ou MLST, um pequeno movimento separatista formado em Pernambuco, ao norte do Brasil, que mantém o foco principalmente na reforma agrária. O MST é mais organizado e tem apoio tanto dentro como fora do Brasil, declara Gabas.

O envolvimento de Gabas com o MLST começou quando alguém no acampamento faleceu e não havia um sacerdote católico que executasse seu funeral. Após esse acontecimento, Gabas iniciou um trabalho de atendimento das necessidades espirituais no acampamento, celebrando missas sob uma barraca antes de construir a estrutura de madeira que foi destruída durante a incursão/invasão.

Eventualmente, quando a Paróquia da Ascensão Igreja Anglicana em Cascavel melhorou a estrutura de madeira a uma de material nobre, a velha madeira foi utilizada para construir a atual Capela Jesus Cristo Libertador.

Inicialmente, Gabas celebrava uma missa mensal na capela. Aos poucos foi se aproximando das pessoas, conversou com mais frequência e uniu-se a elas nas suas reuniões. Hoje, ele celebra o serviço duas vezes por mês. Batizou o primeiro anglicano na região há cinco meses.

"Até abril era uma capela anglicana, mas não havia adeptos anglicanos no acampamento," disse, acrescentando que não lhes impôs a Igreja Anglicana, e que a Igreja Católica Romana também se une para celebrar os serviços.

Liderança e educação

A ênfase do movimento na liderança e no treinamento foi a chave para o sucesso, disse Dawn Plummer, anterior coordenadora nacional da Amigos da MST, que escreveu sua tese de mestrado sobre desenvolvimento de liderança.

O movimento está composto de "milhares e milhares de líderes; não é um movimento de uns poucos líderes com grande quantidade de seguidores", afirma Dawn, e acrescenta que a liderança e a cultura organizacional uniforme permitem que os membros se multipliquem "massivamente".

A história nota que os movimentos sociais foram um instrumento do país para se encaminhar à democracia. A ditadura militar governou o Brasil de 1964 a 1985. Durante esse tempo, sempre estiveram presentes movimentos populares, grupos de dissidentes políticos, greves lideradas por sindicatos e protestos pacíficos, graças aos quais foi facilitado o processo de transição de ditadura à democracia. As eleições chegaram em 1989.

"O movimento lutou por eleições diretas em 1989," Marilene conta. "A gente, todos no Brasil, ansiavam eleger."
A influência política do MST influenciou também a educação.

Apesar de o Brasil ter seu próprio plano curricular educativo, universidades foram chamadas a contribuir com o movimento, relata Liliam Faria Porto Borges, professora de pedagogia na Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

"O movimento fez pressão sobre o estado para prover alternativas de acesso à educação", disse, e acrescenta que isso requereu trabalho extra e alguns professores chateados.

Havendo desenvolvido seu próprio calendário, afirma Liliam, os estudantes do movimento "estudam 10 horas por dia durante 50 dias e após isto voltam para suas comunidades para continuar seus estudos ... O que é difícil para nós, pois temos uma maneira particular de organizar um curso. Os instrutores têm de se ajustar à metodologia do movimento social."

Os estudantes do acampamento estudam, como é típico, ciências agrárias, medicina veterinária e educação; mas algumas faculdades demonstram certa resistência em estruturar esses cursos para acomodar o movimento. Muitos professores universitários também discordam dos objetivos do movimento. Existem conflitos entre as áreas urbanas e as rurais, e também muita tensão dentro da universidade, disse Líliam.

No entanto, o conflito não agita os estudantes, que são politicamente adeptos e estão reforçados pelo seu coletivo, disse ela. "Utilizam bandeiras e camisetas e impõem seus pontos de vista".

As oitenta crianças que moram no acampamento Primeiro de Agosto assistem às aulas embaixo de pequenas construções de madeira e com chão batido. As salas são pequenas, e as crianças se acomodam em típicas carteiras de metal, sentando-se em duros assentos plásticos. Nas paredes externas de algumas salas foram pintados murais de cenas bucólicas. Os estudantes recitam músicas e cantos com temas sobre a educação dos trabalhadores do campo.

Os professores do governo ministram aulas matinais, e professores do acampamento ministram aulas à tarde, disse Geni Teixeira de Souza, coordenadora da escola do acampamento.

"O foco é sempre em todos … educação cooperativa", conta Geni.

O MST incute valores por meio da educação e pelo convívio diário no acampamento nos seus estudantes. A bandeira do MST – um trabalhador soerguendo um facão com a mão direita e uma mulher ao seu lado, posando defronte dos contornos de um mapa do Brasil, delimitados por um círculo branco que, por sua vez, se posiciona no meio de um retângulo vermelho – flameja acima do acampamento Primeiro de Agosto, junto com bandeiras apoiando a imagem do revolucionário latino americano Ernesto "Che" Guevara. Numa construção à entrada do acampamento está gravada a imagem de um Guevara pensativo, ao lado de uma citação: "É necessário desenvolver uma consciência na qual os valores adquiram categorias novas. A sociedade como um todo deve se tornar uma escola enorme." A parte faltante da citação é como segue: "Como eu já disse, em momentos de perigo extremo é fácil ativar os incentivos morais; para manter a sua eficácia... A sociedade como um todo deve se tornar uma escola enorme".

Uma das coisas que o MST reconhece, e que o resto da sociedade frequentemente ignora, é o conhecimento da população pobre, dos mendigos e dos campesinos, alerta Plummer.

Enquanto os estudantes recebem instrução sobre os mesmos assuntos ensinados nas escolas regulares, ao mesmo tempo recebem a educação do campo que os instrui sobre como trabalhar na terra, disse de Souza. "Suas matérias foram adequadas de maneira a ensinar-lhes tudo o associado nas suas vidas diárias com a forma de vida no campo... É impossível separar a escola de suas vidas e a comunidade da escola".

Outra força do MST, ressalta Plummer, é que seus seguidores vivem seus valores e ideologia.

Em um lugar onde a pobreza é tão intensa, o valor do acesso à semente e solo e a importância das técnicas de cultura sustentável não estão perdidos, disse.

"Penso que o que tem de especial sobre o MST é que eles estão realmente tentando incorporar seus valores, que o cuidado pela terra não é só um belo rótulo," disse. "A ação política que assumem é estudada e estratégica, e também é algo enraizado na sua vida diária".

O acampamento Primeiro de Agosto se formou sete anos atrás sobre uma terra pertencente a um fazendeiro privado do qual souberam que só utilizava técnicas de monocultura.

Inicialmente foram 1.200 famílias; agora é o lar de 90 famílias, e mais de 300 pessoas. Cada família tem um pedaço de terra, e as casas variam de estruturas de madeira bem construídas com tetos de metal a outras que se sustentam umas às outras e que possuem paredes de plástico. Muitos residentes chegam com algum conhecimento sobre agricultura ou são pessoas pobres das cidades. Muitos dos ex-moradores do acampamento deixaram o lugar para trabalhar em fazendas do Paraguai, que faz fronteira com Brasil ao sul. O INCRA, a agência de reforma agrária do governo, ainda está negociando com o fazendeiro proprietário das terras para assinar em favor dos acampados.

Um dos atributos mais fortes do MST, disse Plummer, é que o movimento luta pelas necessidades imediatas dos brasileiros mais pobres – acesso a terra, abrigo, comida e assistência médica – e organiza as famílias assim que ingressam no movimento. Num verdadeiro curto prazo, trabalha para resolver o que é tipicamente a situação extrema, mas também dá uma olhada ao porquê de uma família ter atingido tal situação. Mais tarde, se envolve com a mudança social maior e o objetivo de longo prazo da reforma agrária.

"Não se trata só de um provedor de serviço social ou de um movimento ideológico", explica.

E acrescenta que se comprometer pode ser difícil, sendo um dos maiores desafios do movimento.

"As mudanças chegam aos poucos", completa. "Em muitos acampamentos … a vida não é muito boa. As pessoas podem morar em comunidades feitas de barracas por anos, e não é fácil se manter comprometido e esperar as coisas acontecerem. Esse é um verdadeiro desafio".
Ainda assim, o MST obteve sucesso no Paraná, onde o número de assentamentos supera o número de acampamentos – um padrão crescente de mais pessoas "se fixando no campo", conta Líliam.

E isso representa bem as conquistas do movimento, ela diz. "Hoje, eles recrutam gente pobre das cidades."

Com uma população de mais de 200 milhões de pessoas, o Brasil é a 10ª maior economia no mundo. Mais de 26% da população vive na pobreza – muitos na extrema pobreza. À medida que a população trocou massivamente de áreas rurais às urbanas, programas sociais instituídos pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva levou a melhoras na qualidade de vida.

As políticas de redistribuição de renda do novo governo e o programa especial de compensação para o pobre denominado "Bolsa Família" deram às pessoas que vivem em cidades uma "vida digna", e que, segundo Paulo Humberto Porto Borges, debilita o movimento agrário. Borges é casado com Liliam e também é professor na Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Ele trabalha há muito tempo com questões de terra no Brasil. Que o movimento não esteja adquirindo novas pessoas é uma consequência do seu sucesso.

E continua: "Ao mesmo tempo, nós lutamos por isso, e acho que seja positivo que ele retire sua força do poder de mobilização do movimento".
Acrescenta que o vê como uma conquista do povo brasileiro. "É uma contradição positiva muito interessante".

Jair Francisco de Paula é líder político há nove anos e é um líder no acampamento Primeiro de Agosto. Agricultor durante toda vida, se juntou ao MST quando entendeu que não estava sendo mais contratado para trabalhar nas lavouras por causa da sua idade. "Achei que seria a única maneira de melhorar" Jair, que possui um rosto malhado pelo clima e usa um chapéu de caubói bem usado, declarou.

Jair continuou se expressando: Os programas de bem-estar social e de trabalho dão às pessoas a falsa sensação de segurança e isto age de maneira tal que "não querem lutar" pela reforma agrária.

"O movimento tenta fazer seu melhor para mudar o pensamento de toda a sociedade", afirma. "No momento é particularmente difícil para o movimento porque existe trabalho".

Para mais informações sobre a Pastoral Anglicana da Terra contate o missioneiro da Diocese da California Michael Tedrick escrevendo a michaelt@diocal.org.

-- Lynette Wilson trabalha como editora e jornalista para a Episcopal News Service. Viajou ao Brasil em maio para fazer esta reportagem. Tradução ao português por Guilherme Levinski e Leila Del Pozo Gonzalez.